Central dos Sindicatos Brasileiros

Curso de Formação reúne mais de 100 dirigentes e amplia o enfrentamento dos sindicatos da CSB

Curso de Formação reúne mais de 100 dirigentes e amplia o enfrentamento dos sindicatos da CSB

Focada na qualificação política e sindical, representantes de mais de 15 estados participaram do evento

Com mais de 100 participantes, chegou ao fim, nesta sexta-feira (11), o primeiro Curso de Formação Política e Sindical da CSB. Líderes de quinze estados, vindos de todas as regiões do País, estiveram reunidos em Guarulhos (SP) para participar da capacitação promovida pela Central dos Sindicatos Brasileiros em parceria com a EXCOLA – Escola de Excelência em Formação Social.

Focada em fortalecer as lideranças nacionais, a iniciativa ofereceu preparo político e ideológico aos inscritos. Nos cinco dias de formação (de 7 a 11 de novembro), os dirigentes puderam aperfeiçoar seus conhecimentos sobre questões que afetam diretamente o funcionamento do movimento sindical. Ao todo, foram dez temas centrais ministrados durante as aulas. Além de adquirir embasamento teórico sobre o sindicalismo, questões práticas fundamentais – tais como gestão, contabilidade, estatuto, administração, liberdade sindical e jurisprudência – fizeram parte da grade curricular do curso.

No encerramento do evento, Antonio Neto confirmou o comprometimento da Central com a qualificação de seus dirigentes. Segundo o presidente da CSB, além de fornecer condições administrativas e técnicas para que os sindicatos possam exercer suas funções, é primordial o estímulo da CSB à formação política e ideológica dos líderes sindicais.

Sem a preparação, os dirigentes que atuam em favor da classe operária não possuem parâmetros para adotar uma postura combativa e de enfrentamento. “A realidade nunca foi fácil para a classe operária. E se não tivermos dirigentes preparados, não conseguiremos avançar. Precisamos aprender, discutir e agir para que os trabalhadores entendam de que lado nós estamos. Com esse curso, queremos semear novos caminhos para fortificar e munir o movimento sindical”, ratificou Neto.

Conforme relembrou o presidente da CSB, regular o mercado, estabelecer direitos e condições mínimas na convenção coletiva de trabalho e compreender a realidade e as necessidades da classe operária são apenas algumas das prerrogativas fundamentais que devem ser adotadas pelas entidades.

Para José Avelino Pereira (Chinelo), além de seguir esses preceitos, o caminho para uma atuação de sucesso começa com a capacitação. “O primeiro passo foi dado com o Curso de Formação Política e Sindical. A proposta era que esse seria um piloto para que pudéssemos, posteriormente, estender o projeto para outras regiões do País. Com certeza, com o sucesso do evento, será referência para muitos outros cursos que virão”. O vice-presidente da CSB destacou ainda as vivências adquiridas ao longo do curso. Segundo Chinelo, aspectos como companheirismo, conhecimento e integração foram alguns dos pontos positivos da imersão.

Educação – uma importante ferramenta de luta

Constantemente em transformação, a realidade do País exige a renovação ininterrupta de conhecimentos, conceitos e atitudes. Por isso, capacitar os líderes sindicais é a maneira mais adequada de evitar a retirada de direitos e promover a organização das entidades em prol da classe trabalhadora.

Na opinião de Antonio Jorge Gomes, vice-presidente da CSB e presidente do Sindicato dos Técnicos Industriais do Rio de Janeiro (SINTEC-RJ), preparar os dirigentes para o embate é o que se espera de uma central sindical. “Seja nas negociações junto às empresas, ou nas questões relacionadas ao Ministério Público e ao Ministério do Trabalho. Para isso nós precisamos estar preparados, com conhecimento jurídico, de jurisprudências, conhecimento contábil – temas debatidos ao longo das aulas. Tem muita coisa mudando na legislação brasileira. Nós temos que estar sempre atualizados e sempre atentos a essas mudanças”, justificou.

curso-de-formacao-politica-e-sindical-da-csb_07-11-16_baixa-res-157

Para Eliane de Lima Gerber, 1ª secretária da Mulher Trabalhadora da CSB, a formulação do curso favoreceu o aprendizado. Promovido para dirigentes novos, mas também àqueles experientes e já consolidados no movimento sindical, a capacitação englobou temas pertinentes de maneira dinâmica. “O curso foi formatado de uma forma tão inteligente que todos aproveitaram o conteúdo. Tenho certeza que a gente volta para nossas bases muito mais fortalecidos e muito mais bem informados. O que faz a diferença junto às categorias é exatamente isso: o dirigente capacitado, atualizado e bem informado”, completou a presidente do Sindicato dos Assistentes Sociais no Estado do Rio Grande do Sul (SASERS).

Formação integral

Conhecer a história do Brasil sob a ótica trabalhista é fator essencial para entender a conjuntura política e econômica atual. Por isso, refletir sobre as questões que culminaram na criação, desenvolvimento e fortalecimento dos movimentos sindicais é fundamental. “A discussão a partir da história do movimento sindical é essencial para que a gente possa ter uma visão de futuro. Ainda mais se feita com tanta profundidade. Nós discutimos desde o Império, passando por toda a discussão internacional, inclusive a história do sindicalismo nacional”, conta Paulo de Oliveira, 1º secretário de Organização e Mobilização da CSB e presidente do Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio em Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e de Empresas de Serviços Contábeis de Presidente Prudente e Região (SEAAC).

curso-de-formacao-politica-e-sindical-da-csb_07-11-16_baixa-res-95Wendel Pinheiro, instrutor das aulas de Trabalhismo, Estrutura Sindical e História, acredita no protagonismo dos sindicatos como agentes sociais transformadores. Segundo o professor, sem formação política não há como desenvolver movimentos sociais combativos. “Quem não se forma, se deforma. Com esse curso, saímos daqui como dirigentes qualificados para a luta do dia a dia. Agora basta a gente ter a capacidade de ouvir as nossas bases”, afirmou.

Aliado às experiências de quem vivencia a realidade do movimento sindical, temas específicos foram debatidos durante as aulas ministradas. Proteção a dirigentes, organização e funções do sindicalismo, estatuto, o papel do sindicato na defesa da categoria e na conquista de direitos, gestão, administração e liberdade sindical foram alguns dos assuntos expostos.

Conforme afirmou Maria Barbara da Costa, secretária de Saúde da CSB e presidente da FEESSRJ, mesmo quando os temas eram recorrentes no dia a dia dos dirigentes, inseri-los na realidade atual foi de extrema importância para compreender o contexto do Brasil. “Um exemplo é a aula de contabilidade sindical. Essa questão está afligindo a maioria dos sindicatos, que, apesar de terem os seus contadores, não estão certos do que fazer diante das mudanças que vêm ocorrendo no País”, ilustrou.

Sindicatos fortes, Brasil mais justo

Com o objetivo de fomentar o conhecimento, as inscrições para o Curso de Formação foram abertas a todos os representantes da base da CSB. A consciência de que os sindicatos são o alicerce da Central levou à disseminação da educação a representantes de todo o País.

Para Antonieta de Faria (Tieta), secretária da Mulher Trabalhadora da CSB, a iniciativa fortalece a unidade e representa ganhos significativos para o movimento como um todo. “Quem detém o conhecimento detém o poder. O movimento sindical está se armando de conhecimento para enfrentar as barreiras que são postas. Com esse curso, eu pude aprender, absorver e renovar as forças para a luta”, justificou a diretora do SISIPSEMG e do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (IPSEMG).

Além do aperfeiçoamento e dos conhecimentos adquiridos, a imersão possibilitou a integração entre as mais distintas categorias. Compartilhando experiências, a visão de mundo é ampliada. Compreender a luta do outro possibilita a adoção de novos pensamentos e atitudes, além de fortalecer a central sindical. “A CSB está promovendo a união entre os sindicatos, para que, fortalecidos, a gente possa buscar os nossos direitos. Está provando que vai investir para que os nossos sindicatos sejam fortes, o que é muito benéfico para todas as categorias”, afirmou João Henrique Simioni, representante da Central em Rondônia e secretário de Organização e Política Sindical da Federação Interestadual das Regiões Norte e Nordeste de Mototáxi (Fenordest).

Abrangência nacional

Gérson Marques, procurador regional do Trabalho, ministrou as aulas de Proteção a Dirigentes, Custeio e Estatuto Sindical. Para o Doutor e professor da Universidade Federal do Ceará, reunir categorias distintas para debater os desafios do sindicalismo no Brasil foi um dos pontos altos do curso. “A aprendizagem é importante, mas há outras coisas além dela. Conhecer outras categorias, entender a filosofia da Central. Isso é importante para criar uma unidade interna. A unidade resulta da democracia e da discussão, como a que foi realizada aqui”, comentou.

Ao todo, estiveram presentes representantes de quinze estados: São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Mato Grosso, Goiás, Paraíba, Ceará, Pernambuco, Acre e Rondônia.

curso-de-formacao-politica-e-sindical-da-csb_07-11-16_baixa-res-118

Confira a opinião de alguns dirigentes da base sobre o curso:

“Informação e qualificação nunca é demais. Principalmente para nós, sindicalistas, que estamos sempre nessa guerra em favor da categoria. Tudo o que vier a acrescentar o nosso saber é importante. É assim que se constrói uma sociedade, assim que teremos dirigentes antenados e qualificados para defender o trabalhador em cada base do seu sindicato.”

Maria Aparecida Feliciani, 1ª secretária da CSB e presidente do SEAAC Jundiaí

“A nossa intenção é oferecer qualidade na intervenção. E a maneira de fazer isso acontecer é levar informação aos dirigentes. Não apenas em termos de história, mas também nas questões técnicas – esclarecidas graças à assessoria jurídica prestada pelos procuradores que estiveram presentes.”

Joel Chnaiderman, 1° secretário de Formação Sindical da CSB

“O curso foi de um altíssimo nível intelectual. Tivemos promotores, pessoas gabaritadas do Ministério do Trabalho. A gente precisa de conhecimento, informação, embasamento teórico e prático. É isso o que a gente vivencia no dia a dia. Essa iniciativa foi excelente, e espero que venham outras com esse nível.”

Viviane Barbosa de Jesus, diretora nacional da CSB e representante do SINA-ES (Sindicato dos Administradores do Espírito Santo)

 “Com esse curso, a CSB deu um passo muito importante para qualificar os dirigentes do estado, de toda a nossa região e do Brasil. A CSB está de parabéns por ter proporcionado esse curso para todos os dirigentes do País.”

Igor Tiago Pereira, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Itatiba e Região

 “A gente sai daqui com uma bagagem boa. Assim, quando chegarmos nas nossas bases, teremos um conhecimento melhor para sentarmos nas mesas de negociação, para saber conversar com os trabalhadores e ter segurança naquilo que estamos falando. Tudo isso não vai ficar no esquecimento – quando chegarmos nas nossas bases, vamos colocar em prática o que nós aprendemos.”

Sonia Maria de Jesus, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Nova Serrana/MG (Sisnova)

“Até hoje, nenhuma outra central se comprometeu a oferecer formação. Com as mudanças que estão acontecendo no País, é importante que a gente tenha se atualizado com esse curso.”

Paulo Oyamada, 1° Secretário dos Trabalhadores Rurais e presidente do Sindicato dos Empregados Rurais de Tupã e Região

“A educação precisa ser constante, independentemente da idade ou da experiência. As condições políticas são alteradas com o decorrer do tempo, por isso é importante esse conhecimento e essa educação constante.”

Walter Volpe, diretor do Sindpd

“Aprendemos para levar a informação para nossa base. Agora temos que decidir como vamos continuar trabalhando para o benefício do servidor público da nossa região. Com esse curso, aprendi como conversar com as lideranças para conquistar mais apoio em combate à retirada de direitos dos servidores.”

Almir de Brito Correia, da Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos Municipais de Minas Gerais (FESERP-MG)

“Essa iniciativa promove a união das categorias. Quando a CSB faz esses encontros, ela reúne várias categorias do Brasil todo. Tendo conhecimento do sindicato do outro, fortalecemos, junto com a CSB, todas as categorias do Brasil.”

Iraci Diehl Wessling, do Sindicato dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias em Geral de São José (SINTRAMMASJ)

“O sindicato tem que estar preparado intelectualmente. Quanto maior o conhecimento, mais preparado está para uma discussão sindical. Temos que estar preparados para defender os trabalhadores.”

Elizeu Domingos de Araújo, do Sindpd-MT

Veja a galeria de fotos do Curso de Formação Política e Sindical da CSB

Compartilhe!