Central dos Sindicatos Brasileiros

Servidores de Teófilo Otoni paralisam as atividades em dois dias esta semana

Servidores de Teófilo Otoni paralisam as atividades em dois dias esta semana

Os servidores públicos municipais de Teófilo Otoni (MG) vão paralisar as atividades em dois dias esta semana: na quarta e na quinta-feira (23 e 24 de maio), com concentração em frente à Prefeitura, a partir das 9h, na primeira data, e das 15h30, no segundo dia – conforme decidido em Assembleia realizada no último dia 17 de maio. Os movimentos repetirão os moldes das paralisações anteriores, dias 23 de abril e 2 de maio, contra a morosidade da Administração Municipal em relação às discussões das reivindicações dos trabalhadores referentes à Campanha Salarial 2018. Paralelamente às paralisações, os profissionais da Educação estão fazendo, desde o dia 2 de maio, “Operação Tartaruga” (diminuição do ritmo de trabalho). “O prefeito Daniel Sucupira (PT) está desrespeitando toda a categoria e, pior, está tentando jogar os trabalhadores contra o Sindicato”, acusou o presidente do SINDISETO, José Antônio Esteves Guedes. “A insatisfação é grande diante de algumas atitudes do Executivo Municipal. Fizemos várias tentativas de negociação e a Administração justifica que 2018 é ano de ajuste fiscal, que quaisquer melhorias salariais só poderão ocorrer no ano seguinte. Porém, as contratações continuam ocorrendo na Prefeitura de Teófilo Otoni, com alguns em cargos de chefia ou não mas com altas gratificações, alguns abonos permanentes sem justificativa e tantos outros absurdos que hoje podem ser comprovados, devido ao Portal da Transparência”, completou a vice-presidente do Sindicato, Maria Elizabeth Duarte Sena.

Os servidores de Teófilo Otoni reivindicam: recomposição salarial; pagamento de adicional de insalubridade; pagamento do Piso Nacional da Educação; regularização dos contratos dos ACSs (Agentes Comunitários de Saúde) e dos ACEs (Agentes de Combate às Endemias); pagamento do PMAQ (Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica); melhoria das condições de trabalho e fim das gratificações e dos privilégios para apadrinhados políticos.

A luta dos trabalhadores da cidade tem o apoio incondicional da FESERP-MG (Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos Municipais de Minas Gerais), da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e da CSPB (Confederação dos Servidores Públicos do Brasil).

Fonte: FESERP/MG

Compartilhe!