Central dos Sindicatos Brasileiros

Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho terá seis representantes das centrais sindicais

Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho terá seis representantes das centrais sindicais
Reivindicação das entidades foi atendida nesta quarta-feira (22) pelo ministro Vieira de Mello

 

Durante a reunião desta quarta-feira (22) do Conselho Nacional do Trabalho (CNT), realizada em Brasília, as seis centrais sindicais solicitaram representação no Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho. A reivindicação foi acolhida pelo novo ministro do Trabalho, Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello.

De acordo com a portaria publicada no dia 6 de agosto pelo Diário Oficial da União, o comitê não tem representante indicado pelas centrais sindicais, o que no entendimento dos dirigentes das entidades é inadmissível.

“Nós queremos, realmente, debater os problemas do desemprego. Hoje, temos 30 milhões de desempregados, nada mais urgente do que debater o emprego para amanhã. O futuro quer dizer amanhã. Precisam ser tomadas medidas emergenciais de contratação porque o povo brasileiro está passando por uma situação dramática, desesperada e de desalento, então nós queremos contribuir com nossas propostas”, afirmou o secretário-geral da CSB, Alvaro Egea.

Na busca por melhorias aos trabalhadores, o ponto de partida será a agenda prioritária das centrais, documento que aponta o caminho para o desenvolvimento do País. “Vamos debater essa agenda porque nós temos propostas concretas de recuperação do emprego, retomada de obras públicas paralisadas, incentivo à construção civil, inventivo à indústria, liberação de crédito. Enfim, são propostas que nós consideramos viáveis, que já deram certo no passado”, completou o secretário-geral.

 Os representantes das centrais sindicais irão indicar os nomes de seis integrantes para o comitê (três titulares e três suplentes) até o final desta quarta-feira. De acordo com Vieira de Mello, o comitê tem o objetivo de apresentar propostas ao mundo do trabalho, que serão apreciadas e deliberadas pelo CNT.

A CSB também foi representada pelo secretário de Organização e Mobilização, Itamar Kunert, e pelo assessor jurídico da Central Hélio Gherardi.

Conselho Nacional do Trabalho
De acordo com o Decreto 9.028, publicado no Diário Oficial da União em 7 de abril, o Conselho tem o objetivo de “propor diretrizes para a elaboração dos planos, dos programas e das normas sobre políticas públicas destinadas ao mundo do trabalho, de competência do Ministério do Trabalho, com base em informações conjunturais das situações política, econômica e social do País.”

Compartilhe!