Central dos Sindicatos Brasileiros

Para taxistas, regulamentação dos aplicativos de transporte não traz segurança aos passageiros de Fortaleza (CE)

Para taxistas, regulamentação dos aplicativos de transporte não traz segurança aos passageiros de Fortaleza (CE)

Categoria, que defendia medidas mais firmes, pretende alertar o prefeito sobre os problemas da lei

Os taxistas se mobilizaram, lutaram e lotaram a Câmara dos Vereadores de Fortaleza (CE), mas os vereadores insistiram em não analisar com mais profundidade o Projeto de Lei (PL) e as emendas, que regulamentavam os aplicativos de transporte individual na capital cearense.

A votação, que aconteceu nesta terça-feira (15), prejudica taxistas, passageiros e motoristas dos aplicativos.

Por uma legislação justa, taxistas de Fortaleza e Rio de Janeiro permanecem mobilizados
Pela regulamentação justa dos aplicativos de transportes, taxistas de Fortaleza continuam mobilizados
Por regulamentação de aplicativos, taxistas protestam em Fortaleza (CE)

Para o presidente da Seccional Ceará da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e diretor do Sindicato dos Taxistas do Ceará (Sinditaxi-CE), Francisco Moura, a regulamentação tem pontos que são inadmissíveis para a categoria e para a população, principalmente.

“Algumas coisas que foram aprovadas, nós somos radicalmente contra. Os vereadores aprovaram, por exemplo, que o carro para ser usado para transporte individual de aplicativo, ele pode ter até oito anos de uso. Isso é uma medida que mostra que não existe nenhum compromisso com a segurança do passageiro, com a qualidade de serviço e com o conforto do usuário”, explicou Moura, que ainda pontuou outras falhas desta regulamentação.

“Eles aprovaram também que, por exemplo, o servidor municipal pode fazer trabalho no aplicativo nas horas vagas. Ai este servidor vai passar a noite rodando e de manhã estará dormindo no trabalho”, completou Moura.

Além dessas medidas, a aprovação retirou a obrigatoriedade da certidão da Refeita Federal e também abaixou os valores das multas de R$ 3 mil para R$ 1,5 mil para os motoristas que forem flagrados fazendo transporte ilegal de passageiros ou comentando alguma outra irregularidade.

“Por que isso, por que medo de multas? Só tem medo de multa aquele que está trabalhando errado. Quem trabalha corretamente não tem medo de multa”, criticou o dirigente.

Mesmo com a provação por 30 votos a 1, os taxistas não desistiram de lutar e devem articular junto ao prefeito para que ele não sancione a Lei.

“Vamos, partir de agora, nos mobilizar para que o prefeito vete essas emendas apresentadas ao projeto. A profissão de taxista foi desrespeitada, não levaram em consideração nada para a população, e o trabalhador do aplicativo também vai continuar a ser explorado ”, finalizou Francisco Moura.

Compartilhe!