Central dos Sindicatos Brasileiros

Conselho do Fundo de Amparo ao Trabalhador apura ‘buraco negro’ da contribuição sindical

Conselho do Fundo de Amparo ao Trabalhador apura ‘buraco negro’ da contribuição sindical

Verba não foi repassada às entidades e ficou indevidamente retida no Ministério do Trabalho

A reunião do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (CODEFAT), do qual a CSB faz parte, foi marcada pelo debate sobre o ‘buraco negro’ da contribuição sindical, dinheiro que, por oito anos, não foi repassado às entidades. O encontro foi realizado no último dia 13, na sede do Ministério do Trabalho, em Brasília.

A Caixa Econômica Federal não fez o rateio de guias de contribuição sindical que continham erros, seja de código ou digitação. O montante, que por direito deveria ter sido usado pelas entidades em prol dos trabalhadores, foi indevidamente repassado à conta de salário e emprego do Ministério do Trabalho.

“A bancada trabalhista está requerendo a presença do representante da Caixa Econômica Federal na próxima reunião do CODEFAT para que ele dê melhores explicações, não só para nós como para outros conselheiros do governo em relação à situação desse dinheiro, onde está esse dinheiro, qual é o montante desse dinheiro”, afirmou o vice-presidente da CSB e membro da Banca dos Trabalhadores, José Avelino Pereira (Chinelo).

Já existe um acordo entre as centrais sindicais, o Ministério Público e o Ministério do Trabalho para fazer o levantamento da quantia. “Ninguém ainda tem uma posição correta do valor. Estão buscando uma tecnologia para levantar de quem é o dinheiro [sindicato, federação e central]”, explicou. A CSB acompanhará a questão para que nenhuma entidade e nenhum trabalhador saiam prejudicados do processo.

Além disso, os conselheiros aprovaram a prestação de contas.

Conselho

O CODEFAT foi criado com o objetivo de administrar os recursos financeiros de todos os trabalhadores brasileiros na forma de colegiados tripartite, compostos por entidades representantes do governo, da classe trabalhadora e dos empregadores.

Compartilhe!