Central dos Sindicatos Brasileiros

Em assembleia geral, SIMEC-CE anuncia diretoria e filiação à CSB

Em assembleia geral, SIMEC-CE anuncia diretoria e filiação à CSB

Entidade, que representa 300 profissionais, tem como meta o reconhecimento da categoria

 O Sindicato dos Mediadores e Conciliadores Judiciais e Extrajudiciais do Estado do Ceará (Simec-Ce) realizou na noite da última terça-feira (28), na Assembleia Legislativa do Estado, na cidade de Fortaleza, assembleia geral de fundação, escolha e posse da diretoria, além de aprovar a sua filiação junto à Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Criada há um ano e seis meses, a entidade e sua diretoria têm como prioridades, em seu mandato de quatro anos, o reconhecimento da categoria, assim como a conquista do piso salarial e da Classificação Brasileira de Ocupação (CBO).

“A nossa prioridade é fazer com que a profissão seja reconhecida e ajudar na criação da lei estadual, municipal e federal. Já temos a Resolução 125/2010 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a Lei 13.140, que trata das mediações, e a Lei 13.105/2015 do Código de Processo Cívil (CPC). Vamos lutar para que saia também o piso salarial e também o CBO no Congresso”, disse o presidente e fundador do sindicato, Danilo de Matos Moreira, que espera o apoio da CSB nas batalhas que virão.

“Vamos fazer uma parceria forte com a Seccional Ceará da CSB para poder batalhar nesta empreitada para a categoria. Conversamos também sobre apoio em eventos da entidade, como congresso e feira, além do apoio nas ações que faremos para a sociedade. Estamos criando um projeto para instalar uma câmara de mediação nos sindicatos”, completou o presidente da entidade, que representará cerca de 300 profissionais.

Representando a Seccional Ceará, o vice-presidente Manoel Pinheiro Cavalcante classifica como importante a chegada de mais um sindicato à base da Central. “A entidade já estava participando de eventos da CSB. É uma categoria nova e muito bem qualificada. Seu quadro técnico é diverso com outras profissões e requer um grande conhecimento técnico. Deve haver dentro deste quadro advogados, contadores, psicólogos, engenheiros e pessoas da comunidade”, finalizou Cavalcante.

 

Compartilhe!