Central dos Sindicatos Brasileiros

CSB segue na luta contra privatização de três hidrelétricas de Minas Gerais

CSB segue na luta contra privatização de três hidrelétricas de Minas Gerais

Diretoria da Central participou de reunião de Frente Parlamentar do setor elétrico na Câmara dos Deputados

A diretora da CSB e presidente do SISIPSEMG, Maria Abadia de Souza, marcou presença nesta terça-feira (8) em reunião de relançamento da Frente Parlamentar Federal em Defesa do Setor Elétrico da Câmara dos Deputados. O objetivo do encontro, promovido pela deputada Érika Kokay (PT-DF), foi discutir ações contra a privatização de hidrelétricas da Companhia Energética de Minas Gerais.

Em discurso, a dirigente reafirmou o compromisso da CSB com a causa. “Energia não é mercadoria, é vida. Isso influencia diretamente na vida de todos, do trabalhador, do consumidor, de toda a população. É essencial. Nós já entregamos o minério de ferro, o nióbio a preço de banana. Então, agora vai entregar a energia e a água também?”, questionou.

Na tentativa de impedir a privatização, a Central somou forças com a Frente Mineira de Defesa da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), primeiro grupo a promover atos em prol das hidrelétricas de São Simão, Jaguara e Miranda, localizadas no triângulo mineiro. A Frente é encabeçada pelo deputado estadual Rogerio Correia (PT-MG).

“Nós estamos nessa luta juntos, estamos mobilizando todos os companheiros de Minas Gerais e do Brasil e todos os sindicatos filiados à Central para participar, inclusive, do movimento do dia 18 na usina de São Simão. Nós esperamos fazer um grande movimento, levar uma caravana de pessoas porque nós não podemos deixar que isso aconteça”, declarou Abadia.

Ainda nesta terça-feira, segundo reportagem do jornal Folha de São Paulo, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o edital de leilão das hidrelétricas da Cemig. Para seguir, a licitação ainda precisa de decisões judiciais e do Tribunal de Contas da União (TCU).

“Na verdade, eles estão antecipando o leilão preocupados com movimento da frente Mineira de Defesa da Cemig e da frente parlamentar”, afirmou a presidente do SISIPSEMG.

No entendimento da deputada Érika Kokay, “a privatização do setor elétrico vai penalizar a população de baixa renda, e ela coloca em ameaça o próprio desenvolvimento nacional”.

A parlamentar Jô Moraes (PCdoB-MG) frisou a necessidade de promoção de diversos atos pelo Brasil com apoio de deputados.

Como parte do conjunto de ações, a Frente Mineira reuniu-se no começo da noite ainda da terça-feira com o ministro do STF José Antônio Dias Toffoli. O grupo produzirá manifesto em defesa da Cemig.

Entenda o caso

Segundo informações da FESERP-MG, há vinte anos, a CEMIG firmou contrato de concessão de geração de energia com o Governo Federal das três hidrelétricas. De acordo com o documento, caso fizesse ajustes para adequação das operações, a empresa teria direito à renovação da concessão por mais vinte anos, o que foi cumprido. Porém, o governo brasileiro desconsiderou o contrato e agora busca a privatização. Se aprovada, a manobra vai reduzir 50% o patrimônio da companhia.

Compartilhe!