Central dos Sindicatos Brasileiros

Em ato contra PEC 287, trabalhadores rurais lotam câmara de Floriano (PI)

Em ato contra PEC 287, trabalhadores rurais lotam câmara de Floriano (PI)

Audiência pública contou com a participação de mais de 300 trabalhadores

 Aproximadamente 300 trabalhadores rurais de Floriano (PI), cidade localizado a 250 km da capital do estado, Teresina, estiveram presentes, a convite do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Floriano (STTR), em audiência pública realizada na Câmara dos Vereadores do município. O ato, que foi uma grande mobilização contra a PEC 287/2016, da reforma da Previdência, contou com a presença de dirigentes da CSB, da senadora pelo Piauí Regina Souza (PT), da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Piauí (FETAG/PI), do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itaueira (PI), do Sindicato Estadual dos Agentes Comunitários de Saúde e de Endemias, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PI), além de políticos locais e autoridades do Estado.

A presidente do STTR de Floriano, Enedina Pereira, ressaltou que a categoria dos trabalhadores rurais será uma das mais prejudicadas.

“Da maneira que está a proposta no Congresso Nacional, podemos colocar o nome dela de PEC da morte, pois nenhum trabalhador alcançará mais o benefício da aposentadoria. Com essa PEC, a previdência pública será um sonho. Não temos dinheiro para comer, imagine para pagar uma previdência privada”, indagou a presidente, que conclamou a união de todos em defesa das conquistas trabalhistas.

Representando a CSB, o vice-presidente da entidade Francisco Moura defendeu o fim do corte de direitos dos trabalhadores.

“Temos que parar com essa mania danosa no Brasil, de quando se fala em ajustes das contas a primeira coisa é cortar direitos dos trabalhadores, anunciar demissões, arrochar salários e diminuir os repasses da saúde e educação. Chega de massacre ao trabalhador”, falou Moura, que acredita que as grandes fortunas devam ser taxadas, que é necessário cobrar impostos dos banqueiros e que as exorbitantes taxas de juros precisam baixar.

“Esse é o momento de pressionarmos os deputados e senadores nos aeroportos, em seus escritórios nos estados, em suas residências, e, assim, sensibilizá-los no intuito de barrar essa reforma da Previdência, pois, como ela se apresenta hoje, trata-se de um grande retrocesso para a classe trabalhadora”, finalizou Moura.

Durante sua fala, a senadora Regina Souza chamou de absurda a reforma da Previdência.

“Isso é uma ação premeditada, com intuito de sucatear a nossa Previdência, assim, beneficiando banqueiros e seguradoras, que terão cada vez mais lucros, pois quem quiser se aposentar terá que pagar uma previdência privada”, finalizou.

 

Compartilhe!