Central dos Sindicatos Brasileiros

SINTSEP/AL faz parceria com Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas para combater o Aedes Aegypti

SINTSEP/AL faz parceria com Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas para combater o Aedes Aegypti

Alagoas registrou 139 casos de microcefalia causados pelo vírus Zika até janeiro de 2016

Com o objetivo de unir forças para combater a proliferação do mosquito Aedes Aegypti no Nordeste, o Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado de Alagoas (SINTSEP/AL) reuniu-se com a Secretaria de Estado da Saúde (SESAU/AL) para firmar uma parceria entre governo e representantes dos trabalhadores. O encontro, que aconteceu na última terça-feira (1º), na própria Secretaria, foi uma iniciativa do Sindicato.

Para representar a Entidade, participaram do debate o presidente do SINTSEP/AL e 2º secretário dos Servidores Públicos da CSB, Jogelson Veras, e o secretário de Relações Externas do Sindicato, Silvestre Lopes Ferreira. De acordo com Veras, o papel de luta contra o mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikunguya pertence a todas as entidades de classe do País.

“O perfil do nosso Sindicato é de diálogo, portanto é fundamental usarmos nosso cargo de forma institucional no combate à proliferação do Aedes Aegypti. Vamos convocar toda nossa categoria para entrar nesta luta. É uma luta nacional”, afirma o dirigente.

A reunião junto à cúpula da Vigilância Epidemiológica da SESAU/AL – composta pela gerente Cleide Moreira, pela superintendente de Vigilância em Saúde Cristina Rocha e por mais três técnicos – resultou no compromisso de alertar os servidores da existência de focos do Aedes Aegypti em repartições públicas e na disposição dos 32 órgãos filiados ao SINTSEP/AL em suprimir a propagação das endemias causadas pelo mosquito.

Para a mobilização, serão impressos livretos informativos sobre como prevenir o surgimento de focos do Aedes, que serão distribuídos na base de 4.200 associados do Sindicato, e promovidas palestras a respeito do tema. O principal objetivo da campanha é evitar que o número de crianças com microcefalia aumente no País por conta do Zika vírus, doença transmitida pelo mosquito.

Segundo o portal de notícias G1, Alagoas registrou 139 casos suspeitos de microcefalia causados pelo vírus Zika até janeiro de 2016. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) ainda estima mais dois ou três milhões de casos do vírus na América Latina.

Em fevereiro, a SESAU/AL apresentou o aplicativo “Juntos pela Saúde”, que permite qualquer cidadão denunciar focos do mosquito. O download já está disponível gratuitamente nas lojas virtuais Google Play e App Store.

Compartilhe!