Central dos Sindicatos Brasileiros

Sindicatos querem 15 mil trabalhadores nas ruas de Campo Grande

Sindicatos querem 15 mil trabalhadores nas ruas de Campo Grande

Dirigente da CSB em Mato Grosso do Sul coordena as ações da entidade na região

Movimentos sindicais e sociais de Campo Grande e interior de Mato Grosso do Sul pretendem levar mais de 15 mil trabalhadores às ruas na quinta-feira (11) na Capital, em protesto às mazelas políticas e administrativas no País. A ideia, que envolve também todas as centrais sindicais (Força Sindical, CGTB, CTB, CSB, UGT, NCST e CUT), é realizar uma manifestação pacífica e sem depredações.

A concentração será às 9 horas na Praça do Rádio Clube, em Campo Grande. Entidades como a Fetems (federação de professores de MS), Fetagri (trabalhadores rurais), MST (sem terras) e Fetracom/MS (comerciários de MS), também participam da manifestação. Da praça, os trabalhadores descem a Avenida Afonso Pena em direção à região central da cidade, passando pelas principais vias públicas da cidade.

Idelmar da Mota Lima, presidente da Força Sindical e da Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul – Fetracom/MS, informou que os trabalhadores do comércio vão empunhar as seguintes bandeiras:

1 – Fim da corrupção, com punição dos culpados e afastamento definitivo da política;

2 – Transporte público de qualidade e com preço justo;

3 – Escola pública de qualidade com horário integral, agregando à educação, a cultura, o esporte e o lazer;

4 – Creche pública e gratuita para todo os trabalhadores;

5 – Garantias de salário e emprego pelo setor patronal, que obteve desoneração da folha de pagamento;

6 – Saúde acessível e de qualidade;

7 – Transparência e respeito às entidades sindicais, com democratização do Estado;

8 – Fim do Fator Previdenciário e um basta a qualquer outra medida que venha explorar e vilipendiar direitos dos trabalhadores;

9 – Reestruturação do Governo Federal, com fortalecimento do Ministério do Trabalho e Emprego, e reforço nas atividades de fiscalização das áreas de Saúde e Segurança do Trabalhador;

10 – Redução da jornada de trabalho para 40 horas.

SEM DEPREDAÇÃO

José Lucas da Silva, representante da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), em Mato Grosso do Sul, disse que a manifestação será pacífica, numa demonstração de força do trabalhador do Estado. “Não admitimos e não toleramos ações de vandalismo em manifestação dessa natureza”, afirmou o sindicalista que preside a Feintramag MT/MS e o Sindicato dos Trabalhadores na Moviumentação de Mercadorias de Campo Grande – Sintramm.

O advogado e professor Ricardo Martinez Froes, presidente regional da Central Sindical dos Trabalhadores e Trabalhadores do Brasil – CSB, também reforçou a importância do movimento sindical e social de MS nessa demonstração de força da classe trabalhadora sul-mato-grossense. “Exigimos mujdanças urgentes e imediatas, que possam atender aos anseios de uma Nação cansada de corrupção e impunidade”, afirmou.

Estevão Rocha dos Santos, diretor da Força Sindical regional MS, e presidente do Seaac/MS (sindicato dos empregados autônomos do comércio e serviços), estende o convite a toda população para participar dessa manifestação pública na quinta-feira, dia 11 de julho, a partir das 9 da manhã na Praça do Rádio. “Vamaos, todos, dizer NÃO a promessas, discursos e projetos que adiem as necessidades e evidentes providências”, afirmou.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio – CNTC, em reunião de diretoria na semana passada, em Brasília, aprovou que sejam orientadas às federações e sindicatos vinculados aos comerciários de todo o Brasil , a participar de greve geral no dia 11 de julho.

Fonte: Dourados Agora

Compartilhe!